quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Somos Especiais! O Significado da Imagem de Deus no Homem Gênesis 1:26-31

Introdução

Qual o significado de Deus ter-nos criado a sua imagem e semelhança? Qual a implicação para a vida cristã? Isto implica somente em privilégio ou também em responsabilidade?
A visão e o entendimento que tivermos acerca de nossa criação, certamente irão afetar a nossa cosmovisão e irá determinar nossa agir no mundo.
Mais do que nunca se faz necessário entendermos tal verdade, para que possamos participar de forma responsável da criação de Deus e servi-lo no mundo criado.
Vamos refletir acerca de nossa criação e assim verificar as implicações relacionadas a este ato glorioso de Deus.

1. Fomos criados de uma maneira especial
Quando estudamos o registro acerca da criação de Deus de todas as coisas e seres vivos, que está em Gênesis 1 e 2 percebemos que o homem foi criado de uma maneira diferente. As outras coisas e criaturas foram criadas pela simples ordem de Deus: “Disse Deus: haja luz; e houve luz... E disse Deus: Haja firmamento... Disse também Deus: Ajuntem-se as águas... E disse: Produza a terra... Disse também Deus: Haja luzeiros... Disse também Deus: Povoem-se as águas de enxames de seres viventes; e voem as aves... Disse também Deus: Produza a terra seres viventes... animais domésticos, répteis e animais selváticos...” (Gn 1.3, 6, 9, 11, 14, 20 e 24). Contudo, quando cria o homem, não o faz por uma simples ordem, e sim através de um entendimento, um conselho, de Deus com Ele mesmo. Lemos em Gênesis 1:26: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...” Isto não é dito quando Deus criou os outros seres. A expressão verbal “façamos”, está na primeira pessoa do plural. Isto indica a pluralidade de pessoas em Deus. Prova-nos, juntamente com outros textos bíblicos, que em Deus há três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo. Na criação do homem, Deus se aconselha consigo mesmo. As três pessoas da Trindade, em entendimento entre elas, resolvem criar o homem e mulher, a sua imagem e semelhança. Calvino diz que: “Até aqui Deus tem se apresentado simplesmente como comandante; agora, quando ele se aproxima do mais excelente de todas as suas obras, ele entra em consulta".1
Na criação do homem e mulher, Deus se envolve mais pessoalmente. No relato mais detalhado acerca da criação do homem e mulher, em Gênesis 2:4-20, Deus forma o homem do pó da terra e sopra nele o fôlego de vida. A mulher é criada da costela de Adão. Quando Deus cria os outros animais, ordena que eles sejam criados, já com respeito ao homem e mulher, Ele mesmo, forma do pó, sopra o fôlego de vida, toma da costela e etc. Isto serve para demonstrar, nossa dignidade, nosso valor para nosso Deus. Fomos criados de uma maneira especial e maravilhosa. Na criação do homem Deus estabelece um vínculo muito íntimo de relacionamento.

2. Fomos criados com habilidades especiais
Somos diferentes no que diz respeito às habilidades atribuídas a nós. Somente o homem e a mulher, foram criados a “imagem e semelhança” de Deus.2 Estas duas palavras são sinônimas, enfatizando que a humanidade é uma imagem que é semelhante a Deus mesmo. Quando dizemos que somos a imagem e semelhança de Deus, não estamos falando da aparência física, pois Ele é Espírito (Jo 4:24). Estamos falando das habilidades, que o homem recebeu e que refletem o ser de Deus, sendo elas:
a) Justiça e retidão: O homem foi criado justo, reto, sem pecado, bom, assim como é Deus.
b) Personalidade: O homem é um ser que possui personalidade própria, possui individualidade. Cada pessoa tem o seu temperamento, preferências, desejos, diferentes de outras. Por causa dessa característica que possuímos, podemos também nos relacionar com outras pessoas e com Deus.
c) Liberdade: Deus criou o homem com liberdade para escolher. Podia escolher entre obedecer a Deus ou não.
d) Conhecimento Espiritual: O homem tinha compreensão exata acerca de Deus.
e) Imortalidade: Foi criado para viver eternamente. Embora, o pecado tenha produzido a morte, o homem nunca deixa de existir.
f) Espiritualidade: Tinha a capacidade de estar em comunhão com Deus. Esta comunhão não tinha o obstáculo do pecado.
g) Domínio sobre a natureza: Homem e mulher eram gerentes, administradores de Deus, deveriam cuidar do jardim, cultivar a terra, dominar sobre os animais e cuidar de toda a criação.
h) Inteligência, razão e afeições: as ações do homem são determinadas pelo raciocínio, razão e sentimentos, enquanto que as ações dos animais são determinadas pelo seu instinto natural.
Com todas estas habilidades, o homem espelha a Deus. É claro que, com a queda do homem pela desobediência (Gn 3), esta imagem e semelhança foi deformada. Contudo, mesmo depois da queda, o homem continua a ser a imagem de Deus (Gn 9.6 e Tg 3.9). Esta imagem, que foi deformada pelo pecado, através de Cristo, ela é transformada, restaurada, gradativamente. Aqueles que crêem em Cristo, estão sendo transformados a semelhança de Cristo, ou seja, a semelhança de Deus (Rm 8.29; 2Co 3.18).
Somos de fundamental importância no atuar do reino de Deus. Não recebemos habilidades tais, para usarmos a nosso bel prazer e sim, para refletirmos diante da criação a imagem de Deus.

3. Fomos criados para um papel especial
Somos diferentes também, no que diz respeito ao papel que desempenhamos.
Homem e mulher foram criados para espelhar, refletir, imitar a Deus. Foram criados para serem representantes de Deus, seus administradores. Como já nos referimos acima, eles deveriam dominar sobre a criação, cuidar do jardim, cultivar a terra, dar continuidade a raça humana através da procriação e etc. As habilidades que receberam de Deus, deveriam ser usadas neste importante papel, de espelhar e representar a Deus.
É importante enfatizarmos que, tal papel continuou sendo válido, ou seja, continuou sendo um dever ordenado por Deus para ser obedecido, mesmo depois da queda. É claro que, depois da queda, homem e mulher, já não podem mais, exercer este papel com perfeição, contudo aqueles que são de Cristo, por que estão sendo transformados, podem melhor cumprir este papel, de tal forma que a imagem de Deus é refletida de uma maneira mais clara.
Este papel deve ser desenvolvido, em três relacionamentos diferentes, mas que contudo envolvem todo o nosso viver neste mundo:
1. Relacionamento social: Homem e mulher, devem se relacionar, constituir família, criar filhos, e desta forma, vivendo em harmonia devem espelhar a Deus. Este relacionamento se estende a todas as pessoas. Por isso, vemos que em toda parte da Bíblia, somos incentivados a desenvolver um bom relacionamento, a expressar respeito, amor, para com os nossos semelhantes; sejam eles os familiares (Gn 2.20-25; Sl 128; Ef 5.21-6.4), o próximo (Mt 22.34-40; Rm 12.9, 10, 17 e 18), os inimigos (Mt 5.43-47; Rm 12.14, 19, 20 e 21) ou irmãos em Cristo (Gl 6.10; 1Jo 3.11-24).
2. Relacionamento cultural: Ao homem cabe a tarefa de dominar, administrar a criação de Deus (Gn 1.26-29; 2.15-17). Este relacionamento envolve os aspectos, político, educacional, comercial, de trabalho, artístico, tecnológico, de recreação. Tudo pertence a Deus, cada aspecto deste mundo, desta forma, devemos em tudo ser fiel ao nosso Deus e fazer o melhor para Ele, honrando-o e glorificando-o (Ef 6.5-9; 1Co 10:31).
3. Relacionamento Espiritual: Desde a sua criação, Deus tem chamado o homem a um relacionamento que, envolve a obediência. Adão e Eva no Éden, deveriam obedecer a ordem dada a eles de não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Conforme o relato de Gênesis 3:1-7, eles desobedeceram este mandamento e assim o relacionamento espiritual foi quebrado. Contudo, logo em seguida (Gn 3:15), Deus anuncia a vinda daquele (Cristo) que, viria para destruir o poder do diabo e restaurar este relacionamento quebrado (Rm 5.1-11). Em Cristo Jesus e através dele temos a comunhão com Deus restaurada e somos chamados para viver em obediência a Ele. Este relacionamento ou comunhão com Deus, é também exercido com todos aqueles que fazem parte da Igreja de Cristo.
Somos especiais, com um papel importantíssimo, ou seja, espelhar a Deus, representá-lo, diante de todo o mundo, de toda a criação.
Percebam que privilégios geralmente são seguidos por responsabilidades. Fomos criados diferentes de todas as criaturas e temos também a responsabilidade de administrar, cuidar do que Deus criou.
Estamos debaixo de um pacto com Deus, onde nos é exigido obedecer os mandatos da criação, pois para isso é que fomos criados.

Conclusão
Vimos como Deus nos criou de uma maneira totalmente especial, no contexto do reino da criação, com a função de que em cada área da vida possamos nos desenvolver, administrando sua criação.
Precisamos evitar o desequilíbrio, em dar atenção ao cumprimento de um mandato e não dar atenção ou desenvolver os outros.
Deus não nos criou para ser individualistas, mas, para nos aplicarmos a beneficiar toda a criação para sua glória.
Que possamos cumprir nosso papel no mundo, em todas as áreas, de forma adequada, glorificando a Deus.
1 Citação extraída do trabalho A Imagem de Deus no Homem segundo Calvino, da Academia Calvinia.

2 Em nossos dias vemos um cuidado exagerado com os animais domésticos. Pessoas gastam fortunas para dar conforto e saúde a seus animais de estimação. Outras protestam e até mesmo destroem patrimônio alheio alegando defender os direitos dos animais. Não sou contra a proteção de animais, tampouco contra alguém cuidar de forma adequada de seu animalzinho, dar a melhor ração, levar ao veterinário, aliás, na minha opinião se você tem um animal de estimação, então cuide adequadamente ou dê para alguém que vai cuidar. Sou contra alguém maltratar um animal. Na minha opinião se alguém maltrata um animal, ou o submete a tortura, deve ser responsabilizado até mesmo criminalmente. Sendo assim, deixo bem entendido, que sou contra o exagero e a dimensão que toma as causas em defesas de animais. Por outro lado vemos outros defendendo por exemplo, o aborto e o uso de embriões humanos em pesquisas científicas, e tal posição parece ser aceita por muitos e ganha proeminência da mídia. Tudo isso indica um desiquilíbrio. Dá-se mais valor a vida animal do que a vida humana. Realizar pesquisas com animais é considerado inaceitável e desumano e até mesmo desnecessário, mesmo que seja com o fim de produzir medicamentos que prolongue a vida humana. Por outro lado, aceita-se a realização de pesquisas com embriões humanos, afinal de contas, defende-se que é com o fim de trazer a cura e prolongar a vida humana. Há outros que defendem o aborto, alegando que a mulher deve decidir, se lhe é conveniente ou não ter um filho. Perdemos assim de vista o valor e a dignidade humana atribuídas a nós pelo Criador. A vida animal é tratada com mais respeito, do que a vida humana. A que ponto chegamos? Salvar um animal se tornou uma ato mais humano, do que defender a vida humana embrionária, ou ser contra a interrupção de uma gravidez. As leis são cada vez mais rígidas para quem mata um animal (pior se for silvestre) do que para alguém que mata uma pessoa, um homem ou uma mulher feitos a imagem e semelhança de Deus.