quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Vida Animal X Vida Humana: A que ponto chegamos?

Em nossos dias vemos um cuidado exagerado com os animais domésticos. Pessoas gastam fortunas para dar conforto e saúde a seus animais de estimação. Outras protestam e até mesmo destroem patrimônio alheio alegando defender os direitos dos animais. Não sou contra a proteção de animais, tampouco contra alguém cuidar de forma adequada de seu animalzinho, dar a melhor ração, levar ao veterinário, aliás, na minha opinião se você tem um animal de estimação, então cuide adequadamente ou dê para alguém que vai cuidar. Sou contra alguém maltratar um animal. Na minha opinião se alguém maltrata um animal, ou o submete a tortura, deve ser responsabilizado até mesmo criminalmente. Sendo assim, deixo bem entendido, que sou contra o exagero e a dimensão que toma as causas em defesas de animais. Por outro lado vemos outros defendendo por exemplo, o aborto e o uso de embriões humanos em pesquisas científicas, e tal posição parece ser aceita por muitos e ganha proeminência na mídia. Tudo isso indica um desiquilíbrio. Dá-se mais valor a vida animal do que a vida humana. Realizar pesquisas com animais é considerado inaceitável e desumano e até mesmo desnecessário, mesmo que seja com o fim de produzir medicamentos que prolongue a vida humana. Por outro lado, aceita-se a realização de pesquisas com embriões humanos, afinal de contas, defende-se que é com o fim de trazer a cura e prolongar a vida humana. Há outros que defendem o aborto, alegando que a mulher deve decidir, se lhe é conveniente ou não ter um filho. Diga-se de passagem, que os defensores em sua grande maioria, nem estão discutindo, o aborto em casos de saúde ou risco de vida, ou ainda no caso de violência sexual. A grande maioria dos defensores, querem mesmo é legalizar o aborto, por razões as mais fúteis. Perdemos assim de vista o valor e a dignidade humana atribuídas a nós pelo Criador. A vida animal é tratada com mais respeito, do que a vida humana. A que ponto chegamos? Salvar um animal se tornou uma ato mais humano, do que defender a vida humana embrionária, ou ser contra a interrupção de uma gravidez. As leis são cada vez mais rígidas para quem mata um animal (pior se for silvestre) do que para alguém que mata uma pessoa, um homem ou uma mulher feitos a imagem e semelhança de Deus.