terça-feira, 15 de junho de 2010

Doença Silenciosa

“Quando vier o Filho do homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18.8).

Existem algumas doenças que se manifestam silenciosamente. A pessoa não percebe que está doente. Se a pessoa não fizer consultas e exames periódicos, pode quanto menos se espera ser acometida de problemas sérios de saúde. Conheci uma pessoa que não tinha o cuidado de ir ao médico e muito menos de fazer exames periódicos. Em certa ocasião, trabalhando em seu sítio machucou o pé. O ferimento não sarava, no entanto, tal pessoa não se deu conta de que algo de errado pudesse estar lhe acontecendo. O que aconteceu foi que tempos depois foi internada com a taxa de glicose muito elevada. O quadro era irreversível. Ela entrou em coma, vindo a falecer dias depois de ter sido internada. Infelizmente, esta história é real e tem se repetido. Por isso, precisamos tomar medidas preventivas de saúde, para não sermos surpreendidos por uma doença que se manifesta silenciosamente.
Na vida cristã podemos também ser acometidos de problemas que afetam nossa saúde espiritual. Algumas doenças à semelhança daquelas que afetam silenciosamente nosso organismo, afetam também nosso espírito. Poderíamos mencionar algumas dessas doenças. Hoje iremos falar de uma delas. Por exemplo, existe uma doença que seu sintoma é a apatia espiritual. Trata-se de uma doença que afeta a sensibilidade espiritual da pessoa. A pessoa se sente bem, não percebe que aos poucos tem se tornado indiferente às coisas que lhe acontecem ou que antes eram importantes para ela. Esta doença não se manifesta de uma hora para a outra, trata-se de algo que se manifesta aos poucos, de maneira bem sutil, levando muitos ao óbito espiritual. Jesus falou dessa doença que seria como uma epidemia característica dos últimos tempos: “Quando vier o Filho do homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18.8). A pessoa acometida dessa doença, já não se preocupa com aquelas coisas ou exercícios espirituais que lhe fortaleciam a fé, tais como: oração, leitura bíblica, ser assíduo freqüentador dos cultos e reuniões semanais da igreja, participar dos sacramentos, visitar um irmão e etc. Para tal pessoa tais coisas um dia foram importantes, contudo, agora já não lhe fazem qualquer diferença. É assim que muitos crentes esfriam na fé. É assim que muitas famílias já não fazem parte da igreja. É assim que, muitas crianças filhas de pais crentes, crescem sem conhecer a fé cristã.
A forma de combatermos as doenças que afetam nosso organismo é nos submetermos a tratamentos médicos e principalmente tomarmos medidas preventivas. No que se refere a nossa saúde espiritual, precisamos também nos submeter a tratamento, mas de caráter espiritual. Precisamos sempre comparecer ao médico dos médicos, àquele que pode diagnosticar nosso problema e dar a cura. Davi orou: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (Sl 139.23, 24). Precisamos assumir também, medidas preventivas, como utilizar adequadamente os meios dados por Cristo a sua Igreja, os quais ele utiliza para manifestar a sua graça, tais como, a Oração, os Sacramentos e a Pregação da Palavra.
Que Deus nos ajude a nos tornarmos convictos dos perigos espirituais a que estamos sujeitos e nos ajude a evita-los, assumindo uma conduta espiritual adequada.