terça-feira, 21 de outubro de 2014

O Brasil católico – A Reforma Protestante chega ao Brasil, mas não se instala

    

                  O Brasil foi ocupado por Portugal, que trouxe a religião católica. O catolicismo passou a ser a religião da colônia portuguesa. Nota-se que nesse período eram comuns as parcerias político-religiosas. Tais parcerias “serviam de incentivo para os navegadores que se sentiam amparados pelo Estado e pela Igreja Cristã”[1].
                 No século XVI e no século XVII, houve duas tentativas de implantação da Reforma no Brasil, através de invasores.
Nessas duas tentativas de invasões do Brasil, tem-se o que era característico no período, ou seja, a parceria político-religiosa. Nas invasões e conquistas de outra nação ou território, transplantava-se para o invadido não só a cultura do invasor, mas também a religião. Na verdade a religião vinha a reboque. E, devido a essa parceria, os princípios cristãos introduzidos ficaram muitas vezes prejudicados, visto que os invasores, por vezes devido aos interesses político-econômicos, sacrificavam as convicções cristãs.
Osvaldo Henrique Hack faz o seguinte comentário sobre essa situação:
As parcerias político-religiosas serviam de incentivo para os navegadores que se sentiam amparados pelo Estado e pela Igreja Cristã. Lembremos que cada Estado tinha suas leis e pretensões políticas, nem sempre coincidentes com os propósitos do Cristianismo.[2]

Isso é verdade não só no que se refere às conquistas por parte de católicos, como também de protestantes.
As duas invasões do Brasil, francesa e holandesa, refletiram esse procedimento e os conflitos políticos e religiosos que ocuparam o cenário europeu da época. A disputa entre católicos e protestantes se estendeu até o solo brasileiro[3].
Embora, como já dito acima, as invasões não tenham sido principalmente motivadas por questões religiosas, as convicções religiosas foram fundamentais na promoção de tais intentos.
O Brasil, ao se tornar colônia portuguesa no século XVI, recebeu desde o início uma consciência católica, “moldada sob o signo da contra-reforma católico-romana”[4]. Os invasores franceses e holandeses, por outro lado, trouxeram na bagagem o protestantismo e almejavam encontrar no Brasil o que não tinham em seus países, ou seja, no caso dos protestantes, um lugar para exercer sua fé com liberdade, principalmente no caso dos franceses[5].

Nota: Este artigo é parte integrante de minha Dissertação de mestrado em Ciência da Religião. Caso tenha gostado e queira continuar lendo, você pode acessar o conteúdo total deste capítulo e da referida dissertação em 
http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=189947



[1] Osvaldo Henrique HACK. Sementes do Calvinismo no Brasil Colonial: Uma releitura da história do Cristianismo brasileiro. São Paulo: Cultura Cristã, 2007, p.9
[2] Idem, p. 9.
[3] Ibidem, p. 169.
[4] SCHALKWIJK, Op. Cit., p. 24.
[5] HACK, Op. Cit., p. 169.