quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A Reforma Protestante e a sua Importância (2)


“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2Tm 3.16-17).

No dia 31 de outubro comemoramos o dia da Reforma. Como sabemos, foi nesta data, em 1517, às vésperas do dia de “Todos os Santos”, que Martinho Lutero afixou na porta da capela de Wittenberg na Alemanha, as suas 95 teses. Nelas Lutero combatia a venda das indulgências emitidas pelo papa, para a diminuição das penas do purgatório daqueles que as compravam. Lutero demonstrou que a Igreja não podia oferecer perdão aos pecados, tampouco alterar a situação do purgatório, mas somente Deus poderia oferecer perdão.
Essa data deve ser lembrada como o marco da Reforma, contudo, não foi somente devido ao posicionamento de Martinho Lutero que ela aconteceu. Outros antes dele, já haviam manifestado o seu descontentamento com a Igreja Católica e desejaram a sua reforma. John Wycliff, nascido por volta de 1320 ou 1330, foi um desses homens. Ele declarou que a Bíblia era a única regra de fé e prática e se voltou contra o suposto direito do papa de cobrar impostos ou taxas na Inglaterra. Suas ideias influenciaram John Huss (1373-1415) da Boêmia, que foi condenado à fogueira por seus ideais reformadores. Outro pré-reformador que tem destaque é Jerônimo Savonarola (1452-1498). Esses três homens serviram para fortalecer o espírito reformador que se efetivou por mãos principalmente de Martinho Lutero e de João Calvino.
É importante ressaltar que a Reforma Protestante aconteceu não somente motivada por ideais religiosos. Ela alcançou seu êxito, motivada por alguns fatores que sem eles ela não teria acontecido. Um deles foi a Renascença (séculos XIV-XVI), que podemos dizer, foi um período de grande progresso das atividades humanas. O desejo pelo conhecimento e o retorno aos originais, permitiu, por exemplo, que os reformadores  recorressem as línguas originais da Bíblia, não dependendo mais da interpretação do papado. Foi a época da invenção da imprensa por Guttenberg (1450), possibilitando a divulgação mais rapidamente das ideias e do conhecimento.
Podemos mencionar outros fatores tais como: Espírito nacionalista (luta por liberdade do domínio religioso universal exercido pela Igreja Católica); mudanças econômicas e sociais; revolta dos camponeses contra a opressão de seus senhores e contra a indiferença da igreja em defendê-los (Ex.: Camponeses da Alemanha).
Percebemos que a Reforma Protestante, não pretendia somente uma reforma religiosa, mas, queria uma reforma de toda a sociedade. Ela anunciava um modelo de vida diferente para o homem, partindo é claro de uma visão bíblica sobre todas as coisas. Daí, a Bíblia e somente ela, deveria ser a única regra de fé e prática. Na verdade a Reforma redescobrir o que havia sido esquecido.
Exemplo do que dissemos no parágrafo acima foi a Reforma que João Calvino realizou em Genebra. Ele foi convidado por Guilherme Farel para ajudá-lo na Reforma que este havia iniciado. Para Farel, Calvino era a pessoa que ele precisava para administrar Genebra e implantar os valores da Reforma.
Que os ideais da Reforma, sejam os nossos ideais. Que em todo o tempo as Escrituras Sagradas sejam para nós, a única regra de fé e prática. Desta forma acontecendo, iremos contribuir para mudanças, transformações em todos os setores da vida, assim como ocorreu no tempo da Reforma Protestante.